Arquivo da categoria: cotidiano

O ouriço

Anomalia de um sistema que se revela grotesco e do qual zombo suavemente, todo dia, num foro íntimo que ninguém penetra
Muriel Barbery, em A Elegância do Ouriço

Hoje cheguei no trabalho querendo compartilhar tanta coisa que já tinha acontecido nesse começo de dia. Parece difícil pensar em algo que aconteça no borrão cinza do tempo que envolve o despertar até o momento de sentar a bunda na cadeira do escritório. Apesar de que, se refletirmos sobre o assunto, o passar das horas também é muitas vezes só o passar das horas.

A sensação do peso dos três cobertores que me impediam de levantar mais cedo outra vez. O ralo do chuveiro entupido há dias e que conseguiu transformar o box numa banheira suja. O final de um livro subestimado por mim mas que me provocou um acesso de choro no metrô. Quantas sensações, reflexões e emoções couberam nessa hora e meia? E porque é tão difícil guardá-las? Tudo é fagocitado tão facilmente ao chegar aqui ou em qualquer outro lugar e perceber que não há outra pessoa que tenha sentido – ou que se importe com coisas assim – os pés molhados frios demais ou que tenha chorado a morte de alguém que nem existe.  Ou melhor, talvez alguém tenha sentido também, mas esses lampejos caem no inevitável buraco negro do cotidiano que não aceita desvios. Tudo que a cabeça pensa nos poucos períodos em que não precisa se esforçar, apenas deixar o corpo fazer o trabalho de deslocamento, tudo é desconstituído e perde o significado minuto a minuto, numa inevitável contagem regressiva rumo ao nada.

Até que terminamos assim: parte do escritório, parte da redação, parte da fábrica, parte do trânsito, parte da multidão no trem que tenta voltar pra casa. Parte do povo cansado que só quer dormir e adiar os afazeres pra amanhã. E o amanhã…

Anúncios

Geração perdida

Somos uma massa falida. O teste, o intervalo entre gerações passadas e o que vem amanhã. E o que vem amanhã? Será que vem uma máquina de fazer carinho? Já me contaram até que os dedos vão encurtar porque com as pontas deles vai dar pra fazer tudo. E pra entrelaçar as mãos?


Sou uma perdida abraçando com gosto a causa da juventude transviada. Dos que não valem nada.  Me agarro a um tempo que não vivi pra justificar minha inconsequência e prefiro fechar os olhos pras preocupações. Deixa pra outra hora…  Uma perdida num texto perdido, juntando fragmentos de pensamentos que são só lampejos no meio da correria que mata qualquer processo criativo.

É por isso que eu topo qualquer desvio no caminho. Prefiro garantir a cerveja na geladeira do que um creme novo pra passar no rosto. Não perco a oportunidade de fazer algo que resulte em uma ressaca moral que se mistura à ressaca normal. Não me arrependo. Esse é meu grito de liberdade. Dias conturbados entre fluxos, processos, textos, pautas, sono, viagens de metrô e noites mal dormidas.

Somos uma massa falida. E o que vem amanhã? Tanto faz…

Ano Novo

Eu não sei vocês, mas eu não entendi qual é o propósito do Banco do Brasil de fazer um comercial de ano novo em que as coisas se movem pra trás.

O catador de papel

Não era necessário escrever sobre isso, bastava apenas uma foto. Mas, às vezes, é bom treinarmos a imaginação e nos forçarmos para descrever com riqueza de detalhes uma coisa tão poética que dá até medo de escrever pra não estragar. 

No único descanso do dia

É um vulto entre as avenidas

Recolhendo o que ninguém mais queria

Cantando músicas esquecidas 

Sentou pra descansar

O único descanso do dia

Antes da hora do jantar

Antes da fome da filha 

Dos cachorros deitados ao seu lado

Ao carrinho estrategicamente parado

O único descanso do dia

E tudo lembrava poesia 

De uma capa surrada a outra

Dos personagens mortos, das suas alegrias

Histórias surgindo do lixo

No único descanso do dia.

Desculpa esfarrapada

Minha vida está corrida demais…Não que isso seja desculpa, porque, convenhamos, não é.

Mas eu tinha me acostumado com a vida mansa e agora não consiho fazer nada além de: escovar os dentes, tomar banho, comer, namorar, ir pra faculdade, pegar ônibus, trabalhar e dormir nesses intervalos (algumas vezes durante) e não necessariamente nessa ordem.

Estou trabalhando numa história aí, o que geralmente não funciona comigo, já que geralmente eu vomito as coisas de uma vez só, e talvez também eu poste duas poesias, já que agora eu estou rimando, mal e porcamente, mas rimando, há!

(Quanto gerúndio! Percebi agora.)

De resto tudo certo, o mesmo caminho todo dia, as mesmas caras todo dia, tudo o mesmo demais! Mas não é assim que é sempre?

Família

Você percebe que tem alguma coisa errada com você quando a idéia de “reunião de família” pra sua irmã de seis anos é: “Vamos ficar todos juntos na sala enquanto a Chloé faz alguma besteira pra gente rir”.

Notas Desnecessárias

– Cara, pra ser mãe tem que ter estômago. Minha mãe tava jantando ontem na cozinha quando ela ouviu um grito de “MÃÃÃÃÃEEEE ACABEEEEEEI!”. Foi até o banheiro, limpou um monte de cocô e voltou a comer imediatamente como se nada tivesse acontecido. E não, não fui eu que chamei.

– Tô engessada né, faz 35 dias que eu não lavo meu pé (rimou!). Evoluí de uma tala e muletas pra uma botinha de gesso, as duas formas de imobilização me deixaram andando tão graciosamente quanto um rinoceronte manco. Aí hoje eu tive que ir fazer uma entrevista de emprego aqui no centro e fui de ônibus. Sozinha. De gesso. Nunca me senti tão aposentada, todos os velhinhos acharam que eram meus amigos e discorri a maior conversa com todos, até desci pela frente do ônibus e demorei três horas pra fazer um percurso que normalmente eu faria em uma. Acho bom eu ter passado.

– A Terezinha tinha outono sim, mas durou só uma semana.

– Não tem coisa mais deprimente do que agência de emprego… Não sei o que é mais triste, aquela fila de gente igual ou a recepcionista que pega os currículos de todo mundo com a mesma empolgação de quem pega panfleto de plano de saúde que aposentado distribui na rua.

– Criar nomes de petshop é uma arte, taí um profissional que eu admiro. Hoje eu vi um que chamava AU QUE MIA!

– A Globo é tão corinthiana que dá nojo… Ontem no Globo Esporte tava falando da campanha do São Paulo fora de casa, e a fala do apresentador Thiago (desse eu gosto) foi a seguinte: ‘O São Paulo ainda não venceu fora de casa, tendo x empates e x derrotas, INCLUINDO O 3 A 1 PARA O CORINTHIANS’. Meu, sério?

Semancol

Meu, será que as pessoas não se tocam que se você está com um fone de ouvido num ônibus é porque você não tá afim de conversar?

Eu não quero comentar sobre o tempo que tá uma bosta, sobre o trânsito que tá um absurdo e muito menos sobre como você vai chegar atrasado no trabalho devido a soma dos fatores acima… foda-se meu filho, foda-se muito (como diria o Repórter Bêbado).

 

p.s: A propósito, semancol é um gíria horrível né? Eu odeio quem fala Ai, tá precisando de um semancol hein? … Mas, como criar títulos (e finais, como já escrevi aqui) é uma dificuldade pra mim, ficou esse aí mesmo, e eu estou precisando de muito semancol pra aprender a fazer essas duas coisas, e postar mais aqui.

TV Venezuelana tira Simpsons do ar

Daí que o Chavéz acha que os Simpsons trazem más influências pras crianças.

Meu, sério….

Tira a TV-qualquer-uma-do-ar, mas Simpsons é apelação!!!

Etiquetado ,

A moda agora é peixe

Na atual fase da minha vida, eu quero fazer jornalismo. Mas tenho que confessar que essas fases de profissão não duram mais do que uma semana, como quem acompanha o blog já leu sobre a certeza máxima que eu iria enfiar a cara nos livros pra fazer medicina ano que vem, ou sobre o maior sonho da minha de fazer redação publicitária. E olha que eu nem vou contar aqui sobre o curso de teatro que eu estou fazendo pra ver no que é que dá. Portanto, nada de pensar que eu vou fazer jornalismo com toda a certeza, é só um palpite que tem o prazo de validade de aproximadamente 15 dias, antes que eu sinta um desejo sufocante de ser astronauta.

E tem uma coisa que me irrita muito, mas muito mesmo, são as modas da imprensa.

Tem um comercial, acho que é de um suco transgênico, uma coisa assim, que mostra várias coisas que as pessoas deviam comer que estavam na moda. “Brócoliiiiss, comprem brócolis” “A moda agora é peixe com chocolate”. Aí mostrava todo mundo se esbofeteando no supermercado pra comprar essas coisas.

A impressão que eu tenho é que na internet, jornais, bla bla bla, acontece a mesma coisa. Aqui vai uma pequena relação das últimas tendências em notícias que eu me lembre, em ordem cronológica (ou não):

Acidentes de avião – Nas variantes Acidente de helicóptero, de monomotor e de passarinho.

Caiu o avião da TAM, culpa do governo, de São Pedro *bocejo*. Caos em São Paulo, famílias desesperadas e sem culpados. Desde então para fazer sua reportagem gahar um lugar na UOL basta ficar olhando pro céu, viu alguma coisa cair? Bora escrever sobre isso. Já chegou ao ponto de eu ver há um tempo atrás a reportagem: Faxineira da TAM cai de escada da aeronave enquanto fazia limpeza.

Urso Polar Abandonado – Afinal de contas quem não se lembra do ursinho Knut pobre coitado, abandonado pela mãe, vivendo sob todos os holofotes do zoólogico. Claro que o drama se estendeu…

Knut está triste hoje

Knut adotou uma dieta macrobiótica

Knut procura namorada

E até depois de uns meses apareceu um ursinho preto abandonado, mas ninguém dava atenção pra ele, e foi tristemente condenado ao limbo dos ursinhos polares.

Erros de arbitragem – Começou com uns erros escabrosos, o cara dando 3 cartões pro mesmo jogador, o zagueiro por a mão na bola e ainda ser falta pro time dele.

Agora o cara erra um impedimento e vira assunto de três horas no programa da Renata Fan.

Problemas para Entrada de Brasileiros no Exterior – Uma amiga minha foi para Madrid no fim do ano passado, mas assim que colocou os pés lá teve que vir para o Brasil porque tava faltando um documento que ela precisava. Normal, esqueci. Um mês depois 50 pessoas deportadas da Espanha, incluindo brasileiros. Claro que a coisa evoluiu

Brasileiros eram mantidos a pão e água em cárcere no aeroporto espanhol

Brasileira ia apresentar projeto em Lisboa e foi barrada

Italianos e espanhóis foram barrados em Salvador e deportados, Lula diz que não sabe de nada.

Lula ainda não sabe de nada

E eu poderia continuar, mas como acabei de ler a notícia que o Dunga convocou para a seleção o goleiro Diego, do Almería (?) até perdi a vontade.